COVID-19 e a fertilidade masculina

O estudo mostra diferenças significativas na avaliação histopatológica de pacientes com COVID-19 versus grupo de controle. Uma delas é a presença de edema intersticial e congestão, tanto nos testículos quanto nos epidídimos. Além disso, observaram que os túbulos seminíferos apresentavam maior eliminação epitelial espermatogênica.

Um resultado muito interessante é que na análise do sêmen, todos obtiveram resultados negativos de RNA de SARS-CoV-2. Porém, 39,1% dos pacientes com COVID-19 desenvolveram oligozoospermia. Detalhe: todos pacientes que apresentaram oligozoospermia já tinham filhos e nenhum histórico de uso de tecnologia de reprodução assistida ou tratamento para infertilidade.

Também encontraram impactos na concentração média de espermatozoides.  Nos pacientes internados com COVID-19 ela diminuiu significativamente quando comparada com os homens do grupo de controle de mesma idade com uma proporção média de 0,29 (IC de 95% 0,12-0,71, p = 0,008).

Ainda temos muito a descobrir sobre as consequências da COVID-19 e também em quanto tempo elas podem ser revertidas, mas de fato temos aqui a primeira investigação sobre a saúde reprodutiva masculina e a COVID-19 bem completa.

Vamos ficar de olhos nas próximas publicações.

Artigos mais lidos

Locais de atuação

Dr. Conrado Alvarenga


Membro da Divisão de Urologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Localização


Rua Oscar Freire, 2250
Unidades T8/T9/T10
Oscar Freire Office São Paulo

Fale conosco


(+55 11) 3081-6851
conradoalvarenga@alumni.usp.br