A febre dos cigarros eletrônicos

Um estudo polonês reuniu dados que comprovaram que o cigarro eletrônico, cada vez mais popular entre os jovens no mundo todo, contêm muitas substâncias prejudiciais (mesmo aqueles sem nicotina), incluindo desreguladores endócrinos, que perturbam o equilíbrio hormonal e a morfologia e a função dos órgãos reprodutivos em homens e mulheres.

Um estudo em ratos mostrou queda na testosterona livre devido a uma diminuição na expressão do RNA mensageiro (mRNA) de duas enzimas de esteroidogênese chave. Já o esperma coletado revelou diminuição significativa na contagem e na viabilidade dos espermatozoides.

Já a Universidade de Hong Kong encontrou uma ligação entre as toxinas dos cigarros eletrônicos e os problemas de fertilidade, tanto que lá pediram proibição total e imediata de todos os cigarros eletrônicos.

Ainda temos poucos dados, o primeiro estudo é de 2016. Portanto é difícil explicar o efeito da vaporização nos órgãos reprodutivos humanos, mas os dados em modelos animais já são alarmantes.

Ou seja, cigarro eletrônico também é cigarro e traz consigo uma série de efeitos prejudiciais à nossa saúde e fertilidade.


Artigos mais lidos

Locais de atuação

Dr. Conrado Alvarenga


Membro da Divisão de Urologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Localização


Rua Oscar Freire, 2250
Unidades T8/T9/T10
Oscar Freire Office São Paulo

Fale conosco


(+55 11) 3081-6851
conradoalvarenga@alumni.usp.br